domingo, 28 de novembro de 2010

ESTOU SEM ESTAR


De mim
Não consigo falar
Porque em mim
Estou sem estar.
Lanço-me em voo picado
Como gaivota no mar
Percorro caminhos sem fim
Por terra, água e ar
E encontro dentro de mim
O lugar onde quero estar.
Não consigo guardar ou esconder
O que encontro na procura
Reparto mesmo para perder
E não considero loucura.
Acho que o que tenho não é meu
Faz parte do nada que tenho
Porque se tenho é porque nasceu
E não preciso nem retenho.
E é na vontade de dar
Que encontro a verdade
E se a isto se chamar criar
Só o faço em liberdade.

Dina Ventura – “only me” – 26 de Novembro 2010

10 comentários:

  1. É POSSÍVEL !

    NÓS PODEMOS ALTERAR "ISTO" !!!

    IMAGINEM...

    http://josepiresapresidencia.blogspot.com/2010/12/imaginem.html

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito! Desculpe entrar sem bater à porta... Calhou vir ter aqui e gostei.
    Beijo e continue a dizer essas coisas bonitas, vindas da alma.
    Carol

    ResponderEliminar
  3. Direi simplesmente: Excelente poema.

    ResponderEliminar
  4. Feliz Natal,com bons livros…e muita poesia da boa,é o caso!

    Bj*

    ResponderEliminar
  5. COMECEI A CONSTRUIR A MINHA SALA DE ESTAR, QUE INCLUI UMA “BIBLIOTECA”, QUE ESPERO QUE SEJA DO AGRADO DAS VISITAS!...GOSTEI DO QUE OBSERVEI,LENDO!NÃO INCOMODANDO SEREI LEITOR ASSÍDUO NESTE RECANTO.

    BOAS FESTAS

    ResponderEliminar
  6. Minha doce e querida Dina tenho supervisionado toda a sua obra e tenho adorado todos os seus trabalhos lindos ainda bem que a conheci aqui na net obrigada pela sua linda amizade.

    um abraço;
    jorge oliveira

    ResponderEliminar
  7. Hoje, nem me compreendo.
    E lembrei deste poema.
    Copiei e inseri no meu blogue.

    »»http://joe-ant.blogspot.com/2011/02/num-regato-de-auto-reconhecimento.html

    ResponderEliminar
  8. Um abraço de gratidão, sento-me envergonhada por ter andado tão afastada.

    ResponderEliminar