sábado, 30 de maio de 2009

PINTURA

sexta-feira, 29 de maio de 2009

EXPOSIÇÃO DE PINTURA 1 A 30 DE JUNHO FOYER DA AULA MAGNA DO POLITÉCNICO DE VISE


Acrílico - 2009: Totem
Dina Ventura

TOTEM - Há a divisão do religioso e do profano. Mas até que ponto existe essa divisão?.Não passa de uma tela, pintura ou desenho que corresponde aos emblemas heráldicos, brasões da minha alma em aperfeiçoamento, simbolizando a prova da minha identidade como pessoa. A pintura é o meu "dodaim", etimologia da palavra Totem, ou seja o lugar onde moro dentro de mim.

domingo, 24 de maio de 2009

INCAPACIDADE

by: dv

Os três estados dificultam o dizer.

Por serem três fazem com que me perca.

Há sempre o perder algo até chegar.

Vejo lá dentro, sinto e escrevo, perdendo grande parte do que era.

Fica muito pouco.

Mal consigo conter a raiva perante a incapacidade.

Então volto-me para ela, porque não?

Se ela existe é por alguma razão e é a ela que terei de pedir ajuda.

Essa incapacidade sente-se perseguida e atraiçoa-me,

Com pensamentos duplos, triplos,

Até que finge compreender-me para que eu não a veja.

Desculpa-se com os estados, com o pensamento descodificado,

Com a surdez interior.

Chama-me de inferior.

Ela vive dentro de mim, eu sou a sua casa.

Então é ela que me conhece, é ela que ordena.

Há a revolta. Ri-se de mim.

Ela é que me abandona quando quiser,

Quando esta casa já não lhe servir, sai.

Há tantos lugares por aí.

Mas sinto-me satisfeita porque me apercebi dela.

Tornou-se um fardo, um peso que não me faz vergar.

Mas faz-me pensar, agir e tentar

Encontrar a melhor forma de a transportar...

... Incapacidade.

(In: nas asas do vento encontrei orixá) - Dina Ventura



PARAGENS...ESFORÇOS TALVEZ


by: dv

Há o recomeçar.

Que triste é a tristeza do estar parado.

Desgaste, esforço em vão, do não conseguir.

É como o desejo de gritar, para quem nunca falou.

Pena lançada na água de um rápido veloz.

É a dor do não parar, a dor da impossibilidade perante a visão.

Paro.

Dói pelo que foi a pena ou por não conseguir saber o que será?

Saudade do futuro.

Esgotamento precoce perante o não feito.

Manchas de tinta.

Rostos sujos pela imagem da alma.

Corpos doentes, sangrando, arrastando-se no hospital.

Hospital de nome vida, com jardins onde uns se passeiam,

Outros espreitam, se escondem, mas nenhum lá consegue morar.

Quem não conhece os jardins? Se sofre? Se sofre menos? Talvez.

Mas eles existem e para quê se são só imagens?

Recolhe-se ao hospital, é assim.

Passeio grátis pelos corredores desse imenso casebre.

As divisões multiplicam-se, portas que não se abrem,

Vontade de conhecer todas essas salas, recantos e gavetas.

Há o medo de se perder, de não conseguir dar com a saída.

Há os recuos para não perder de vista o que se tem pela frente.

Necessidade urgente de olhar para trás, para essas sombras,

Caminhos já percorridos, mas que não se vêem.

Chega-se novamente ao jardim e apesar de ser o mesmo,

Aproveitamos o pouco tempo que estamos nele para, pelo menos, respirar.

Empurram-se, todos precisam de ar puro.

Todos querem, ao menos uma vez, entrar nesse jardim.

As notícias correm como o vento, todos virão a saber que ele existe

E depois como será, perguntarão?

Não cabemos todos no jardim e lutamos, lutam...

Retiro-me, tem de haver uma saída.

Obrigada hospital, vida assim te chamas,

Vou tentar criar um pouco de jardim,

Neste quarto alugado à vida.

(in: nas asas do vento encontrei orixá) Dina Ventura



GRITOS - ECOS DE MIM



Amarrotar papéis, escrever, riscar, pensar.

Quantos sentimentos dobrados, vergados, jogados.

Porque são soltos, descabidos, não se aceitam.

É preciso ordená-los em frases correctas, bem gramaticadas.

É preciso enquadrá-las num contexto fútil,

Mas útil para o texto.

Que se danem as criações, as ilusões,

O sentir singelo de uma simples frase.

Vamos polir as palavras, já gastas e sem brilho.

Vamos condecorá-las e repeti-las, amordaçando-as.

Há que pô-las de castigo, fechá-las, dobrá-las.

É preciso dominá-las, ensiná-las.

Há uma palavra já rouca de tanto palavrear.

De nada lhe serve. Tiraram-lhe a identidade.

Deram-lhe ordem de despejo, por tão mal se portar.

Era louca essa palavra, falava de mais.

Morava num campo livre, mesmo fechado.

Tudo lhe fora permitido,

Agarrando-se a essas rápidas asas – imaginação –

Era vê-la voar. Tudo abrangia.

Ela era o centro e dela tudo partia.

Agora é tarde, já cansada de nada lhe serve gritar,

Ninguém a ouve, ninguém a respeita. Nada vale.

Perdeu-se tal como as outras.

Mas será que mesmo já gasta, ajudada por essas asas

Conseguirá voar mais alto, gritar de novo

E de novo voltar a fazer ouvir e respeitar o seu nome

Liberdade!

(in: nas asas do vento encontrei orixá) - Dina Ventura



sábado, 23 de maio de 2009

AS ESTAÇÕES DO ANO

by: dv

Acordo e sinto um cheiro a vida. Existe um misto de quente e frio,

Um cheiro à frescura da terra e ao calor das flores.

É como se dentro de mim nasça uma vontade louca de me despir,

Me apeteça beber todo o odor que me banha.

É como se não conseguisse saciar toda a sede de calor

E sinto-me leve, sinto-me florida e fresca.

Mas nunca me vou cansar dessa frescura,

Porque quando ainda a desejo, vejo-a ir-se apagando ofuscada por um bafo quente.

Não sabe bem. Sinto-me abafar sem possibilidades naturais de quebrar esse calor.

É preciso muita força para não deixar de respirar.

E bebo, bebo com a sofreguidão de quem vai deixar de ter.

É um maldizer da vida. Sinto-me sem forças para me abanar.

Olhar parado, inquieto, procurando em vão qualquer movimento.

Alguém me tocou. Sinto-me despertar.

Mas não é possível... é tão pequenina. Mas foi ela.

Foi essa folha que se desprendeu para me salvar.

Pairou sobre mim, agitando de mansinho o ar inerte.

E veio outra e muitas outras se seguiram.

É como se tivessem combinado a hora de me salvar de tal calmaria.

Deu-me uma certa melancolia e pensei:

Para meu bem se viram vocês despojadas dos vossos bens e adornos.

Mas depressa me passou, pois tudo ficou sereno, calmo, cheio de uma beleza fresca e amarela.

Amarelo...dourado...pensei que aquela luz cansada de tanto calor se ia derretendo,

Deixando cair sobre mim um pouco dos seus braços,

Que de tão longa caminhada se tornaram frescos e protectores.

Fui deixando que me envolvessem.

Senti-me enleada de tal forma ao ponto de perder as forças.

Mas sentia-me bem. Tão bem que tudo parecia irreal.

Mas fui despertada por um gesto brusco. Porque teria eu feito isso?

Percebi! Os braços dessa luz já não me aqueciam, estavam muito frios.

O brilho amarelo foi desaparecendo e tudo se tornou escuro e gélido. Senti-me perdida, angustiada.

Tinha-me esquecido de tudo por tão bem estar.

E eis-me despertada para a vida de uma maneira tão cinzenta e fria.

Mas ainda bem que existiu esse cinzento, porque assim mais brancura os meus olhos viram.

Como se uma luz sobrenatural tivesse sido acesa e tudo passou a um branco resplandecente.

O frio tornou-se agradável, penetrando todo o meu ser. Senti-me novamente enleada.

Era lindo, tudo é lindo e pensei:

Sou viva e quatro são os cheiros que me ligam à terra!

(in: nas asas do vento encontrei orixá) - dina ventura





sexta-feira, 22 de maio de 2009

DESCODIFICAÇÃO DO TEMPO

O tempo não existe. Mas existe.

Acabei de o descodificar.

Ele é espaço. Espaço de algo a que se chama tempo.

Onde se albergam, coisas de nome sentimentos.

São pequenos tempos que preenchem o espaço onde o tempo vive.

Logo também são tempo e o Tempo é sentimento.

Angústias que apesar de tormentos individuais,

São inquietudes metafísicas, que promovem estreiteza

E quanto mais espaço têm mais se sente o aperto.

São ânsias provocadas por desejos ardentes

De alcançar o que não se tem,

Saber, o que não se sabe

Ou apenas a necessidade aflitiva de criar

De extorquir ao tempo, o que o tempo esconde no espaço que tem.

São insónias, para que a vigília se processe e permita, a não paragem.

É a inspiração, quer do ar que entra e permite sentir

Ou o entusiasmo criador pelo ter respirado.

É o instante, em que o tempo é reduzido a um lapso.

E é nesse momento único que o tempo, tem tempo e vive

Fazendo-nos esquecer que ele existe e é sonho.

Aí o tempo existe livre,

Sem ser necessário esconder-se ou descodificar-se

Ele apenas é, o que o sonho o deixa ser!

Dina Ventura - Maio de 2009

D A T A S...

by: dv

Contar os dias é dificultar a vida.

Importa é que se sinta o que o passar significa.

Não interessa o que fica para trás,

Conta é o que o hoje mostra com o passar do tempo.

Onde quer que estejamos há que sentir.

Depois, há que enfrentar os rios de palavras

Enquanto o são de verdade. Ou seja:

Declarações da alma através da escrita transformando-nos em meros leitos.

Enciclopédias de sabedoria simples que o passar do tempo nos sussurra.

Zumbidos leves de Saberes que devido à fragilidade humana se perdem.

Esboços torturados duma hipotética beleza rara.

Máximas inacabadas, não por falta de tempo mas sim de conhecimento.

Borbulhar de riachos com aspiração a rios, sem se encontrarem no que são:

Riachos. Águas pouco claras que ao longo do tempo se vão coando.

Olhares despreocupados nas margens lixentas disfarçadas pela verdura.

Despertar incerto numa manhã cinzenta, na foz já cansada.

Encontro de águas para um nascer de algo.

Mares. Remoinhos violentos num bater de ondas.

Incontrolável dimensão de profundidade desconhecida.

Lugares desejados, secretos, de conhecimento reduzido.

Navios procurados nas profundezas remotas

Oscilando em abismos de paradeiros inacessíveis.

Ventos. Agitando as bandeiras do que existirá

Enquanto a procura se torna dolorosa porque é procura.

Caminhando em esforço contra a força do vento

Esperando alcançar o que deveras procura.

Noite. Aparecendo, reporta ao que já passou,

Totalizante espera resultados palpáveis do que poderá ser.

Oculta, sem se esconder, passeia-se às claras.

Sai sem discussão, dando prazo sem dar e promete voltar.

Encontro. Já de saída cruza-se com o Sol.

Olham-se de costas seguindo direcções opostas.

Idos deixam-nos à mercê do que são:

Tempo. Esperas inúteis para os conhecer,

Encontros solenes de admiração e espanto.

Nada nos priva da sua companhia mesmo não estando connosco.

Trazem-nos o que são, pedindo em troca o que precisam:

Análise. Porquê de existirem por si e sem nós.

Espaço. Aberto sem no entanto nos ser permitido.

Seguem-se as vias da dedução e da lógica,

Encontram-se resultados questionando-os de dúvidas.

Incontroláveis procuras neste tempo que existe em nós.

Síntese: Dia – Noite – Tempo

O FILME DA VIDA

by: dv

Ontem.

Foi ontem, apenas revelando-se porque é passado.

Completamente preenchido, já não cabendo em si,

Vê-se obrigado a sobrar-se para o dia seguinte.

Hoje.

Novo começo para um ontem e começo para um novo amanhã.

Ambos novos começos.

Serão tão diferentes assim?

Amanhã.

Repleto no hoje e vazio no amanhã seguinte,

Mas incessante no seu começo e fim.

Dias após dias repetitivos reflectem-se nas águas que lhes dão vida.

Tal qual elas, o tempo em dias caminha...

Ora revolta, ora calma, sendo rios ou mares,

Azuis, verdes ou brancos.

Assim é por onde andamos!

Até observar nos poderemos, como num espelho,

Quando as condições a isso nos conduzam.

Somos esbatidos na superfície,

Sem possibilidade de fuga, antes de nos vermos.

Tomamos conhecimento de que estamos lá, só quando nos vemos.

Revoltos, como água em remoinho, puxando-nos para um centro.

Tudo se perdendo na não originalidade,

Apenas cópias da força da gravidade.

Forças apostas e opostas, em constantes mutações.

Revelações do amanhã anotadas num ontem distante.

Interligação de ontens e hojes, para amedrontarem amanhãs.

São unidos, mas sempre formam par para ludibriarem o que resta.

Perseguições inalteráveis que nos enganam,

Com o objectivo de não serem alterados.

Desgaste significante na marcação do tempo.

Escapes musicais para amelodiar o tempo,

Sinfonias hilariantes para nos prostrarem na recordação.

Recordação no hoje, para que o ontem não morra.

Amanhã ansioso para que a sinfonia não se perca.

Ciclo vicioso de um todo inacabado!

Inacabado em imagem, porque o Amanhã existe.

Reforços pedidos para entender o que É.

Recursos apoiados no tudo que podem ser.

Conclusões gerais, duma lei que já foi.

Coisas completamente certas no começo do hoje,

Que poderão estar erradas quando sobrarem para amanhã!

Ilustrem-se as gentes para que se possam revelar.

Não nos fiquemos pelo filme que reteve a imagem.

Descodifiquemos o negativo e façamo-lo falar.

Que vida... tanto filme por revelar...

Ontem...hoje...amanhã.

(in: nas asas do vento encontrei) Dina Ventura



segunda-feira, 18 de maio de 2009

TESOUROS ESCONDIDOS

Adicionar imagemby dv

Que doces encantos na solidão amarga.

Que forças imensas no perder das forças.

Algo aparecendo no peito ardente.

Há um abalo no corpo dorido,

Há um ressuscitar na vontade forte,

Há um quebrar do refúgio secreto.

Ondas agitadas de um mar parado.

No fundo os navios afundados e perdidos.

Velas erguidas em direcção à luz.

Plantas regadas com lágrimas geladas,

Florescendo mortas num canteiro fechado.

Portas secretas que se abrem aos poucos

Para o campo perdido do Infinito.

Raízes mortas de plantas ressuscitadas,

Bocados secos de seivas brutas,

Passagem ao alimento duma seiva enganada.

Encontros de caules procurando alimentos

Num deserto seco de campo a florir.

Escolha de terra para além da que fica.

Criação de sonhos numa vida de palco,

Rasgos de véus com as forças do vento,

Procura sangrenta de olhos feridos.

Voltar à luta numa batalha perdida.

Encontrar forças num corpo não corpo.

Viagem no tempo do real sem fim!

(in: nas asas do vento encontrei orixá)





domingo, 17 de maio de 2009

NOSTALGIA - SENSIBILIDADE - AMIZADE

Externato de Santa Maria Maior

12.º CONVIVIO

Antigos Alunos do Externato de Santa Maria Maior de Tábua

Pedra da Sé - Tábua - 16 de Maio de 2009

Enquanto avançava para o local do encontro, sentia que recuava no tempo até à adolescência. Sensação normal para quem não via há muito tempo amigos e colegas, já consciente que alguns, poderia não encontrar. Apesar de preparada instalou-se uma nostalgia inexplicável. Ao chegar deparou-se-me um já bem composto grupo do que estava calculado. Próximo de sessenta pessoas, entre antigos alunos e professores. Na mente estava presente a imagem guardada ao longo dos tempos. Nada mais. Uns reconhecíveis outros já não tanto, mas foi ao primeiro abraço que a sensibilidade falou mais alto. Não aguentei e ao contrário do que podia pensar desatei num choro que já me tinha ameaçado de manhã (enquanto escrevia algo que pretendia ler), mas que ali não consegui conter. E pronto passado o primeiro impacto a dor apaziguou-se, apesar de se manter bem presentes os que já não poderei ver nunca mais nas nossas reuniões, mas que estarão sempre dentro do meu coração.

Após o almoço convívio, veio a caminha tão bem preparada, que deixou que a Natureza equilibrasse a mente, mais para o fim da tarde o lanche e a coragem para ler em voz alta o que tinha escrito de manhã. O sentimento era o mesmo com que tinha sido feito e que não me importava partilhar o receio era o desfecho.

“Encontro de amigos – Externato Santa Maria Maior - 16 de Maio de 2009

Recordações

Sem saber porque acontece ou como acontece

Dou por mim muitas vezes, a ver não com os meus olhos

Mas através de alguém que não sei quem é!

Pergunto se sou eu, que ainda não conheço

Ou alguém, que me quer dizer quem é ou quem sou.

Através do seu olhar vejo um mundo com gente,

Gente apenas. Um conjunto sem significado, sem sentido e um pouco desfocado.

Apenas observo, sem ainda entender nem conseguir descodificar.

Apenas fazem parte.

Parece algo neutro, sem cor, que mexe mas não tem vida, irreal.

Hoje esse alguém não está, ausentou-se.

Deixou-me, entregue a mim mesma, de visão clara

Para poder viver a realidade presente.

E agora neste momento, estou a olhar e a ver através de mim.

De forma clara e nítida.

Gente, mas não uma gente qualquer.

São pessoas que olho e sinto.

Umas mais, outras menos, mas todas me dizem algo.

Puxam-me para algo, que nunca esqueci

Nunca vou esquecer, pois faz parte de mim e ajudou-me a ser quem sou:

Externato Santa Maria Maior de Tábua.

Foram muitas dessas pessoas para quem estou agora a olhar

Que fizeram com que a minha alma nunca deixasse de Ver.

E hoje, essa a razão porque estou aqui.

Durante todos os anos em que não estive presente,

Sempre estiveram comigo, sempre fizeram parte de mim e sempre farão.

Muito grata por me aceitarem, me convidarem, por me chamarem e

Por não se terem esquecido de mim!

Por isso estou aqui. Vim não por obrigação mas porque senti que devia estar presente.

Vim porque a ausência, se tornou amargurada

E as memórias do que me fez ser assim me empurraram para aqui.

Há sempre uma razão de ser.

Não é sempre apenas porque se quer ou quando se quer

E sim porque, era agora e hoje que eu tinha de o dizer!

Mais uma vez grata de coração a todos vós.

Amigos de uma vida que me ajudaram a ser quem sou.

Um abraço especial ao meu director, professores, colegas de turma e amigos

Que se mantiveram ao longo dos anos!

Mesmo aos ausentes, a saudade ficou.

Aos que já não estão entre nós, um abraço e carinho muito especiais

Pois quem sabe não estarão a ouvir, a ver e a sorrir!

Quando é de alma, a alma não tem barreiras, não tem fronteiras

Nem distância, nem obrigações, apenas união de corações.

Bem hajam todos por me aceitarem aqui.

Obrigada Leonor pela tua “sempre presença” e pela tua insistência.

Sempre cito uma frase ‘é mais fácil desistir do que persistir’

Tu és a prova disso!

Tu és uma guerreira de alma que muito admiro!

Obrigada a todos e até para o ano. “

Após a leitura desmanchei-me em lágrimas outra vez e agradeço a todos que comigo se comoveram e me ajudaram a conter as lágrimas. Obrigada a ti mana por me teres acompanhado nesta aventura de sensibilidade e emoções.

Dina Ventura

quinta-feira, 14 de maio de 2009

P O E T A

by dv

Segundo a definição, poeta é aquele que se dedica à poesia

Que tem faculdades poéticas. Poeta é um idealista. Um sonhador.

Será mesmo?

Não sei se gostava de ser poeta. Mas sei que não sou.

Poeta é ser mágico.

É conseguir tirar do nada o que sempre lá existiu.

É tirar o vazio, do vazio que o preenche.

É sentir sem sentimentos, por não conseguir sentir

Naquilo que se transformou.

Por em dúvida se sente mesmo, ou se isso nele se esgotou.

É viver em função de algo que sabe não existir.

É não se entregar à dor por não a sentir.

É sentir nas amarras da vida, a liberdade do Ser.

É conseguir alcançar sem nada pretender.

É embrenhar-se no mundo para conseguir desaparecer.

É abdicar do que é, pelo que sente ser.

Dizem que tem elevação nas ideias, mas é engano.

São as ideias que o levantam e o elevam.

Consegue tirar água da fonte que já secou.

Consegue encontrar sem procurar, o que ninguém tentou.

Consegue sair de onde nunca entrou.

Poeta é apenas um Ser

Que hibernou.

Dina Ventura - Maio de 2009

quarta-feira, 13 de maio de 2009

PÁGINA EM BRANCO

by: dv


A página em branco é um desafio.

Olha-a e sinto que me vê de forma profunda.

É ela que arranca de mim tudo o que não sei dizer.

Quando lhe transmito o que vê, acho-me louca.

Ela sorri com ar concordante, mas não dá resposta.

Aguarda, apenas com o aceno da linha em branco,

Para que eu avance. Pergunto para onde e porquê?

Para que serve o que sai? Ninguém lê.

E se lê, fará sentido o que nem sentido tem para mim?

Sinto que amuou, a página em branco.

Talvez receosa por não ser preenchida

Ou talvez por me conhecer como ninguém.

Eu e ela somos uma.

Mas existem os computadores! Ela não quer.

Diz simplesmente…isso é para depois.

Depois faz comigo que quiseres.

Mas agora sou eu e tu, cara a cara, com um elo de ligação;

A caneta. Cordão umbilical entre ti e mim, acresce um dedo.

Mais um…o do sexto sentido, que te permite falar comigo.

Assim, depois de cumprida a tarefa, podes passar-me a limpo.

Amarrotar, rasgar e destruir. Já fiz o meu papel.

Do branco de mim, tirar de ti a cor

Que jamais conseguirias sem mim!

Dina Ventura – Maio 2009




terça-feira, 12 de maio de 2009

PUBLICADO POR TER SIDO ACEITE - GRATA

Acrílico "O CORVO": Dina Ventura

Todo este conjunto "tela-poema" é espiritualmente de Alguém que sabe quem é.
PAZ e LUZ.

Nunca me sinto só mesmo quando estou.

Estou sempre com o pensamento que por vezes não me deixa descansar.

Irrita-me a sua insistência, a sua presença constante de incitamento.

Peço-lhe folga, um instante que seja, para me sentir só e ele reage

Pensando mais ainda.

Reflicto. Só o posso fazer, pois algo quererá.

Acordei já em continuidade de pensamento e ele segredou-me.

Como falas com alguém que não conheces?

Como estabeleces contacto com alguém que não sabes existir?

Não cheguei a conclusão alguma. Pois não existem definições para tais questões.

Embalo então na conversa com o pensamento

E deixo fluir, na loucura do permitir.

Permito que ele seja gente, que não se vê mas existe

Que não tem voz mas nunca está calado

Que não tem forma fixa e que muda a cada instante.

Surge de rompante.

E é na ponta da caneta que se exorciza, que o combato.

É algo mais forte que tudo.

Como se pensará sem pensar?

Onde estará o pensamento quando não se manifesta?

Agora está em diálogo com alguém que não conheço.

Mas reconheço. E fala e diz-me que nos conhecemos, sem conhecer.

Que não nos iremos ver e sim e apenas encontrar.

Há um pensamento comum.

Uma força de mistério que desaproxima quem está próximo

Pela admiração e pela distancia do espírito.

Mas existem são reais, são humanos e parciais.

Nada mais há a acrescentar.

Apenas agradecer a alguém que admiro, a inspiração que me deu

Para concretizar a minha última, melhor penúltima tela.

Que se chama O Corvo!

Dedico-a a si, não pelo que ela representa mas pelo oposto dela mesma.

Dina Ventura Maio/2009



segunda-feira, 11 de maio de 2009

TEXTO DE APRESENTAÇÃO DO CARTAZ

Texto elaborado por César (Mutes pintor) e por Ana Lebreiro.


"Graças às novas tecnologias, foi possível juntar 4 amigos sem nunca se terem cruzado até há um dia atrás...

Não escolhemos o assunto pois o segredo das obras está aí, na concordância do assunto e do temperamento do autor. Na nossa arte, procurar nada significa, o que importa é encontrá-la no seu lugar de liberdade entre o pintor e a tela, sua confidente... A arte não teria lugar na história se os limites do mundo conhecido não tivessem recuado, e os meios de o conhecer alargado à medida das suas transformações e das suas necessidades, numa tentativa de reconciliar a existência do sentimento de cada pintor, com visão dos seus medos, alegrias, tristezas, loucuras e outros estados de espírito. Esta é a arte de Ana Gonçalves, Ana Lebreiro, César Amorim (mutes) e Dina Ventura, numa tentativa de racionalizar um conflito de emoções existente dentro de cada um. Mas… mais importante do que a obra propriamente dita, é o que ela vai gerar na visão do espectador.

As artes não são concebidas como acções historicamente invariáveis do género humano, nem como arsenal de “bens culturais” que vivem uma existência sem tempo, mas como um processo que avança sem cessar, como um (work in progress) do qual toda a obra participa, porque pintar é fácil quando não se sabe… quando souberes deixa de o ser."


A exposição terá lugar no Instituto Politécnico de Viseu, onde também estarei presente sentindo-me uma privilegiada no meio dos "profissionais".


Obrigada a todos eles e ao trabalho activo do César.


EXPOSIÇÃO DE PINTURA EM VISEU DIA 1 DE JUNHO 2009

domingo, 10 de maio de 2009

TRISCAR CONSIGO MESMO

by: dv


I

Pergunto a mim mesma porque se dizem determinadas coisas?

Que necessidade haverá?

Sinceramente. Juro. Prometo. É verdade. Acredita. Sério. Sem dúvida.

Quantas palavras atiradas, lançadas para alguém sem direcção certa.

Desacerto de alvos. Setas atiradas para sítios incertos, por isso ferem.

Dói a dor ou o não fazer sentido?

Que sentido se dá ao que dói? Ao que magoa e rasga a alma?

Acresce…a alma expande-se por se libertar do que a rasgou.

Passa, transparente e sem dificuldade ao que se lhe opôs.

Ninguém consegue apagar a luz de uma alma.

A luz é imensa, intensa, inesgotável e invisível.

É suave e agreste na sua condição humana,

Mas nunca perde o sentido do caminho de volta.

Ela é que tem os significados que as palavras desconhecem.

Ela tem os segredos que por vezes desaparecem.

Ela tem o remédio para todos os males.

Ela tem o que muitas vezes não se sente,

Alma!


II

Para que se corre? Talvez para fugirmos de nós mesmos.

Tenho pressa em aprender, será porque não o quero fazer?

Ou por ter perdido tempo a não entender?

São, a cada momento, questões mentais,

Desacertos com o exterior em serena harmonia,

Mas que vai despoletar a vontade da conversa íntima.

De questionar o porquê de mim e dos outros

E o que os outros pensam e eu não

E se serei capaz para além do que penso.

É a guerra entre o pensamento que não controlo

E a vontade que tenho de o controlar.

Ele escapa-se, não há possibilidade de o acompanhar.

Já escrevi muitas vezes sobre isto.

Da minha incapacidade de acompanhar o meu pensamento.

Sinto-o.

Vejo interiormente o que diz e depois não permite que o exponha.

Diz não existirem palavras no meu dicionário, que eu sou uma aprendiza.

Aceito.

Por isso me esforço por aprender.

Porque não deixa então que eu o faça?

Porque não me ensina quando o diz?

Será para me pôr à prova?

É essa a forma como ensina?

Não me sinto escritora nem poeta, então porque tenho de escrever?

Porquê sem pensar sai a escrita certa que me soa a cântico.

Paro de pensar.

É esquisito como ele desencadeia esta amálgama de palavras

Que sem sentido revelam o verdadeiro sentido do que sinto.

Paro, olho-me e acho-me complicada. Rebuscada.

Mas não é isso que sou, nem o que quero ser. Quero apenas comunicar.

Mas como se comunica com palavras sem sentido?

Sem forma correcta, parece um castigo:

Escrever mil vezes a mesma frase para nunca mais esquecer o erro cometido.

Hoje sinto-me diferente. Sinto-me envolta em tintas e palavras. Nada condiz e tudo acelera nesse sentido. A chuva cai. Talvez lave a tinta!

Dina Ventura – Maio 2009